em um artigo publicado no site da CUT, disse que o caminho é a resistência em defesa de mais financiamentos ao SUS e uma gestão que cumpra a sua finalidade, que é garantir o acesso à saúde pública, como direito de todos e dever do Estado.

Ela também destaca a importância de dar voz à campanha da Central Única dos Trabalhadores (CUT), “Defender o SUS é Defender a Vida”, lançada no dia 7 de abril de 2020 – Dia Mundial da Saúde para que os trabalhadores do setor sejam valorizados, do pessoal da limpeza ao médico, e tenham condições dignas de trabalho.

“Só nos cabe a luta pelo fortalecimento do SUS que promove campanhas reconhecidamente exitosas de vacinação, de acesso a diversos profissionais de saúde, consultas, exames e distribuição gratuita de medicamentos. E assim deve ser com a realização urgente de uma campanha nacional eficaz e gratuita contra a Covid-19, que segue levando milhares de vidas e com aumento de contágio”, diz trecho do texto.

O SUS não é plano de saúde

O SUS não é um plano de saúde para pobre como se ouve falar, mas sim, um sistema público de saúde um dos maiores do mundo que mesmo com todos ataques que vem sofrendo, tem sido fundamental para promover e proteger a saúde das pessoas e salvar vidas. 

Os serviços prestados pelo SUS à população vão além dos leitos de UTI, envolvem ações diversas e englobam, por exemplo, o controle de qualidade da água potável que chega à sua casa, a fiscalização de alimentos pela da Vigilância Sanitária nos supermercados, lanchonetes, bares e restaurantes que utilizamos  diariamente, no funcionamento dos aeroportos e rodoviárias, nas regras de vendas de medicamentos genéricos, nas campanhas de vacinação, de doação de sangue ou leite materno que acontecem durante todo o ano.

Muitos procedimentos médicos de média e alta complexidade, também são feitos pelo SUS, quimioterapia e transplante de órgãos, entre outros.

Por Érika Aragão com edição de Rosely Rocha/CUT Nacional

DEIXE O SEU COMENTÁRIO