Info Tracker, responsável pelo levantamento, foi desenvolvida pela USP (Universidade de São Paulo) e Unesp (Universidade Estadual de São Paulo) para monitorar os números da pandemia.

Gráfico mostra disparada proporção de mortes entre pessoas não vacinadas / Reprodução/UOL

Segundo o estudo, de 1º março até 15 de novembro, 306.050 pessoas morreram de Covid no Brasil. Destes, 79,7% (243 mil) das vítimas não haviam tomado nenhuma dose da vacina.

O número cai para 10,7% (32 mil) considerando os que completaram o ciclo vacinal e 9,7% (29 mil) para quem tomou uma dose. Desde o início da aplicação da segunda dose o número de óbitos caiu 94%, passando de 89,6 mil em março para 5.744 em outubro.

No período, dos 981 mil internados, 81,7% (802 mil) não eram vacinados. Apenas 9,6% (93 mil) internados completaram o ciclo vacinal e 8,7% (85 mil) receberam somente a 1ª dose.

Não é a primeira vez que conclusões semelhantes são apresentadas. Os governos de Israel e dos Estados Unidos da América, por exemplo, vêm alertando há meses sobre a chamada “pandemia de não vacinados”. Em algumas regiões quase todos os casos de internação registrados são de pessoas que não passaram pela imunização.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA divulgou uma pesquisa de grandes proporções, em que 600 mil pessoas foram acompanhadas. Os resultados indicam que quem não tomou a vacina tem 10 vezes mais possibilidade de precisar de internação.

Em 8 de novembro, o Brasil de Fato mostrou que um balanço realizado pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal apontava que 80% das internações e óbitos ocorridos nos hospitais de campanha também é de pessoas não vacinadas contra a Covid-19. O monitoramento foi feito com pacientes que deram entrada no Hospital de Campanha do Gama.

Leia mais:
Especialistas defendem máscara e passaporte da vacina para controle da pandemia
Estudo detecta “pandemia dos não vacinados” no Brasil, como aconteceu nos EUA e em Israel
“A CPI escancarou a vergonha da resposta brasileira à pandemia”, afirma Pedro Hallal

Fonte: Brasil de Fato

DEIXE O SEU COMENTÁRIO