<

comunicou na quinta-feira (31/10) que o Conselho Diretor do banco aprovou a nova proposta de reforma estatutária da Cassi elaborada com as entidades de representação dos funcionários e apresentada ao banco pelo Conselho Deliberativo da caixa de assistência.

O banco informa ainda que a aprovação da proposta depende da anuência dos associados e que, se aprovada, está previsto o aporte adicional na Cassi de até R$ 588 milhões em 2019.

O banco diz ainda que a proposta prevê também a liquidação antecipada pelo BB de obrigação contratual de R$ 450,9 milhões referentes ao ressarcimento do déficit do GDI (Grupo dos Dependentes Indiretos), formado por cerca de 2.300 dependentes indiretos de associados, inscritos antes de 2007, quando o Estatuto não vedava e que era custeado em parte pelo banco e em parte pelos próprios usuários

“A Cassi passa por um momento difícil, com grande déficit fiscal e o risco ter a carteira do plano associados alienada e transferida para o mercado de saúde privada. Por isso, o aceite pelo banco de uma nova proposta elaborada em conjunto pelas entidades de representação, com o auxílio do corpo técnico da Cassi, já uma grande vitória”, alertou o coordenador da CEBB (Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil), João Fukunaga.

R$ 1 bilhão de aporte imediato

As entidades representativas acordaram com o banco que, se as alterações no Estatuto forem aprovadas, o BB aportará de imediato R$ 1,006 bilhão para o Plano Associados.

  • R$ 450 milhões relativos à antecipação de pagamento de todas as parcelas futuras de responsabilidade do banco no GDI;

  • R$ 415 milhões para pagar contribuições patronais para dependentes de ativos retroativas a janeiro de 2019;

  • R$ 141 milhões relativos às despesas administrativas de todo o ano de 2019.

“Agora, temos que arregaçar as mangas e intensificar nossas visitas às bases para apresentar a proposta, esclarecer as dúvidas e conseguir a aprovação por, pelo menos 2/3 dos associados”, disse Fukunaga.

“Não temos muito tempo. O Memorando de Intenções que permite o aporte adicional de recursos na Cassi vence em dezembro. A partir de janeiro, se não houver uma nova proposta aprovada, a situação da Cassi, que já não é boa, vai ficar ainda pior”, concluiu.

Fonte: Contraf-CUT

DEIXE O SEU COMENTÁRIO